Por que a malária não é apenas uma doença tropical? | Minuto da Terra

Anúncios

A malária é uma doença global que, com o passar do tempo, estamos vencendo em todo o mundo, até mesmo em alguns lugares tropicais. Quando o assunto é a África, porém, não tem sido nada fácil…

Anúncios

Contato: leonardo@escarlatte.com

Neste vídeo você aprendeu sobre:
0:10 Doenças tropicais
0:13 O que causa a malária?
0:15 Transmissão da malária
0:20 Malária no mundo
0:38 Clima temperado
0:55 Reprodução dos mosquitos
2:06 Mortes por malária

Quer aprender mais sobre esse assunto? Vamos lá!
– Antropofolia: a propensão e interesse de um organismo pelos humanos, em vez de outros animais;
– Biogeografia: estudo da distribuição de espécies, organismos e ecossistemas ao longo do espaço e do tempo;
– Controle da malária: redução dos impactos da malária para um nível localmente aceitável, como resultado de esforços deliberados. A intevenção contínua é necessária para manter o controle;
– Eliminação da malária: interrupção das transmissão local (ou seja, redução da taxa de casos de malária para zero) de um parasita da malária especificado em uma área geográfica definida. A intervenção contínua é necessária para evitar o restabelecimento da transmissão;
– Erradicação da malária: redução permanente a zero da incidência mundial de infecção causada por parasitas da malária humana, após o que as medidas de intervenção não são mais necessárias (por exemplo, como com a varíola, a única doença que erradicamos).

Patrocine o Minuto da Terra! https://apoia.se/minutodaterra
Faça uma doação e ajude o canal a crescer: http://bit.ly/doarMDT

Vídeo anterior: Por que alguns animais comem cocô?
https://www.youtube.com/watch?v=-sISe4EP2ho

Vídeo original: Why Malaria Isn’t Just a Tropical Disease
https://www.youtube.com/watch?v=SmQ5-iM6YsA

Tradução oficial e autorizada do canal Minute Earth, criado por Henry Reich: http://www.youtube.com/user/minuteearth

Tradução e dublagem: Leonardo Gonçalves Souza
Edição de vídeo: Ricardo Gonçalves Souza

Fontes (em Inglês)
FONTES

Carter, R., & Mendis, K. N. 2002. Evolutionary and historical aspects of the burden of malaria. Clinical microbiology reviews, 15(4), 564-594. https://cmr.asm.org/content/cmr/15/4/564.full.pdf

Gething, P. W., et al. 2011. Modelling the global constraints of temperature on transmission of Plasmodium falciparum and P. vivax. Parasites & vectors, 4(1), 92. https://doi.org/10.1186/1756-3305-4-92

Hay, S. I., et al. 2004. The global distribution and population at risk of malaria: past, present, and future. The Lancet infectious diseases, 4(6), 327-336. https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S1473309904010436

Lardeux, F. et al. 2007. Host choice and human blood index of Anopheles pseudopunctipennis in a village of the Andean valleys of Bolivia. Malaria journal, 6(1), 8. https://doi.org/10.1186/1475-2875-6-8

United States CDC. 2018. Malaria: Biology. https://www.cdc.gov/malaria/about/biology/index.html

World Health Organization. 2016. World malaria report 2015. http://www.who.int/malaria/publications/world-malaria-report-2015/report/en/

World Health Organization. 2016. Eliminating malaria. Geneva. http://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/205565/WHO_HTM_GMP_2016.3_eng.pdf

Deixe uma resposta